Bruno Covas

Ambox plus.png Este artigo precisa de mais mais informações
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais mais informações.
Ambox plus.png Este artigo precisa de mais mais humor
Você pode ajudar a Wikinet adicionando mais mais humor.
Bruno Covas
Brunocovas.jpg
Nome realBruno Covas Lopes
Nascimento07/04/1980
Santos - SP
Morte16/05/2021 (41 anos)
OcupaçãoAdvogado
Economista
Prefeito
Conhecido(a) por- Ter tomado medidas autoritárias como prefeito de São Paulo durante a pandemia
- Ter morrido de COVID mesmo assim
Outros linksInstagram
Twitter
Facebook

Bruno Covas Lopes[1] foi um advogado, economista e político brasileiro, filiado ao PSDB e prefeito da cidade de São Paulo de 2018 até a sua morte. Filho de Pedro Covas Lopes e Renata Covas Lopes e neto do trigésimo governador de São Paulo, Mário Covas JúniorWikipedia's W.svg, ficou conhecido por ser o vice-prefeito de João Dória, posteriormente assumindo seu lugar em abril de 2018, quando Dória largou a prefeitura para disputar o governo do estado de São Paulo. Também é lembrado por suas medidas autoritárias durante a pandemia por coronavírus de 2020.[2]

CarreiraEditar

FormaçãoEditar

Bruno iniciou seus estudos em Santos, sua cidade natal, e concluiu em 1995, quando mudou-se para a capital. Covas cursou direito na USP  e economia na PUC -SP.[3]

Vida públicaEditar

 
Bruno Covas no mundinho de André Guedes.

Bruno Covas filiou-se ao PSDB quando tinha 18 anos, estando junto ao partido em todas as eleições que disputou. Seus primeiros passos na política foram em fevereiro de 2007, quando foi eleito deputado estadual com mandato até dezembro de 2010. Posteriormente, foi nomeado secretário estadual do Meio Ambiente, entre janeiro de 2011 e abril de 2014, e fora eleito deputado federal de fevereiro de 2015 a janeiro de 2017.[4] Em 2016, foi candidato a vice-prefeito de João Dória pelo PSDB na coligação Acelera SP.[5]

Em 2020, disputou a eleição para a turbulenta prefeitura de São Paulo, marcada por instabilidades no e-Título, uma bosta de aplicativo que tem a função de informar o eleitor sobre Zona e Seção, com endereço do local de votação, e se ele em dia com esta obrigação.[6][7] Bruno passou do 1° turno com 32,85% dos votos, disputando o 2° turno com o bandido invasor de terras Guilherme Boulos, que foi o segundo candidato mais votado com 20,24% dos votos.[8] No segundo turno, ganhou de Boulos com 59,38% dos votos contra 40,62% do perdedor.[9]

CâncerEditar

Em 2019, foi diagnosticado com câncer na região da cárdia, entre o esôfago e o estômago. Em 2 de maio de 2021, se afastou da prefeitura por 30 dias para realizar o tratamento da doença. Em abril, a doença avançou e atingiu os ossos e alguns pontos do fígado, submetendo Covas a uma imunoterapia . No dia 14 de maio de 2021, os médicos anunciaram que sua situação havia piorado e o quadro era irreversível.[10] Lola Aronovich se pronunciou sobre o caso em seu Twitter, lamentando apenas que Guilherme Boulos não foi eleito prefeito de São Paulo porque Bruno Covas se candidatou à reeleição.[11]

MorteEditar

Em 16 de maio de 2021, aos 41 anos, Bruno Covas morreu de câncer.[12]

GaleriaEditar

Salsa