Bridges TV

O casal Aasiya Hassan e Muzzammil Hassan na sede da Bridges TV em Orchard Park.

Bridges TV foi um canal islâmico de TV por assinatura disponível nos Estados Unidos entre 2005 e 2012. O fundador virou notícia em 2009, quando assassinou brutalmente a esposa após ela pedir divórcio, e se encontra preso desde então.

AcontecimentosEditar

Tendo estreado nacionalmente em 15 de novembro de 2004, foi a primeira rede de televisão muçulmana americana a transmitir em inglês. A emissora foi originalmente sediada em Buffalo (no estado de Nova York), mas depois mudou para a cidade de Nova York. Foi projetada para conter os estereótipos negativos dos muçulmanos propagados por filmes americanos antes e depois do 11 de setembro. Durante sua existência, recebeu atenção de vários meios de comunicação (americanos e estrangeiros), tais como Variety, NBC News, Voice of America, Columbus Dispatch, Detroit Free Press, San Jose Mercury News, Rochester Democrat & Chronicle, The Buffalo News e Canadian Press.

No entanto, o canal ficou realmente conhecido no mundo por um crime horrendo. Em fevereiro de 2009, seu fundador e presidente (CEO) Muzzammil Syed Hassan esfaqueou 40 vezes e em seguida decapitou a então esposa e funcionária Aasiya Zubair Hassan em um dos estúdios da emissora. Uma semana antes do crime, Aasiya tinha pedido divórcio de Muzzammil devido à violência doméstica que ela sofria do marido. No mesmo dia do crime, ele se entregou à polícia e desde então permanece preso e condenado a uma pena de 25 anos a prisão perpétua.

O canal sofreu um grande revés pelo crime. Além do CEO ter sido preso e perder o cargo, o canal chegou a suspender telejornais por três meses (fevereiro a maio de 2009) para não noticiar o dono assassino. Quando voltou, o telejornal tinha qualidade inferior. O canal encerrou todas as operações nas TVs por assinatura em 15 de março de 2012, depois de apresentar prejuízos devido à má fama que o crime de 2009.

FontesEditar