Religião secular

Religião secular é um conceito filosófico que visa tratar a ciência e a política moderna como sendo novas religiões que trocam a parte metafísica por partes materiais. É bastante controverso devido ao seu excesso de falhas e é tido como falacioso em certos casos.

O conceito de religião secular foi criado por Eric Voegelin durante o tempo em que estava tentando refutar o conceito de totalitarismo de Hannah Arendt. Ele utilizou este conceito para refutar o nazismo e o comunismo, de forma a entendê-lo como religiões políticas. Ele chegou a tratar até mesmo a ciência como uma religião, levando assim ao nascimento do conceito de religião secular.

O conceito passou a ser utilizado para se referir a qualquer ideologia ou sistema de organização política terrena, chegando até mesmo a incluir o progressismo, o liberalismo, o conservadorismo, o reacionarismo, o primitivsmo, o monarquismo e as formas primitivas de organização, sendo estes negados pelos defensores do conceito, mostrando assim uma falha no conceito de religião secular.

Outra crítica ao conceito está no fato dele ser utilizado deliberadamente pela direita, principalmente pelos conservadores e reacionários, para atacar a esquerda, considerando o esquerdismo como uma religião secular, mas sendo incapazes de considerar o direitismo e o centrismo como religiões seculares também, mostrando assim mais uma falha no conceito.

Outra falha está no fato do conceito só servir mesmo para radicalizar radicais católicos, como o que Voegelin era, rad-trads e ultraconservadores, como o caso de vários grupos rad-trads no Facebook como o Hobbit Católico.

Um dos únicos pontos positivos do conceito está no fato dele poder ser utilizado para se referir ao evidencialismo, ao neopositivismo e ao neoateísmo, que agem completamente como religiões seculares.

Um ponto importante que o conceito desconsidera é o fato de haver ideologias que envolvem a parte extrafísica, como o caso do Monteirismo, do socialismo cristão, do distributismo, do posadismo etc. Fazendo assim, o conceito ser passível de críticas e de ser um conceito vago assim como alguns veem o conceito de totalitarismo de Hannah Arendt.