Abrir menu principal

Wikinet β

Enfiar uma cenoura no cu

Enfiar uma cenoura no cu é uma meme de 1977.

Tá, obviamente pessoas já enfiavam cenouras no cu antes de 1977, e continuaram enfiando cenouras no cu depois de 1977, só que isto virou meme em 1977.

E, para quem acha que meme é uma coisa que só existe por causa da Interwebz, vale lembrar que, em 1977, ninguém além de uns poucos malucos de universidades tinha ouvido falar da Internet (que ainda se chamava ARPANET), além, obviamente, dos leitores de ficção científica, que já estavam familiarizados com o conceito desde, sei lá, os anos 1940.

Aviso médico! a Wikinet adverte: enfiar cenoura no cu pode causar acidentes!
Caso queira enfiar vegetais, escolha pepinos!

Para entender porque enfiar uma cenoura no cu se tornou uma meme tão importante, precisamos, antes, contextualizar o que foi este ano no Brasil. Tá, tem o artigo 1977, mas precisamos aqui focar em outros pontos.

Em 1977, a ditadura militar estava ruindo. Não por causa dos guerrilheiros, mas por causa da pornografia. Os censores filhos da puta estavam sobrecarregados de trabalho, tinham que censurar loucamente filmes, revistas, jornais, música e televisão, e, obviamente, não conseguiam fazer tudo isto. A cada "eleição" (porque as eleições, naquela época, eram uma farsa, não se podiam eleger presidente, governadores, prefeitos de capitais, de cidades importantes e 1/3 dos senadores[1]) a oposição ganhava mais votos, e mesmo os ditadores usando o AI-5 para cassar os oposicionistas, sempre apareciam outros para tomar seu lugar.

Na televisão, a geração dos anos 1960 de galãs estava se aposentando (de ser galã, os caras continuam atuando até hoje[2], porque, ao contrário de depósito, ator quando fica velho não perde os papeis) e havia uma nova geração de galãs fazendo sucesso entre as putinhas adolescentes: André de Biase, Kadu Moliterno, Marcos Frota, Mário Gomes, Tony Ramos, e outros. Naquela época, as adolescentes vadias tinham o epíteto de cocotas e a forma de provocar os irmãos das amigas e os colegas de classe era usar roupas largas ou transparentes sem sutiã.[3] Nas escolas, a homofobia era não só socialmente aceita, como ainda era obrigatória, se tivesse algum aluno que fosse gay ou que tivesse trejeitos de gay, nenhum aluno heterossexual podia ser amigo dele, porque também seria chamado de gay.[4][5] Chamar alguém de viado só não era pior do que chamar a mãe de puta (o popular e eterno filho da puta) ou chamar o pai de viado (o que acaba unindo os dois xingamentos, porque se o pai é viado, então a mãe é puta).

Então um jornal sensacionalista, Luta Democrática, publicou em março de 1977 uma reportagem de que um dos tais galãs havia dado entrada na emergência do Hospital Miguel Couto [6] para remover uma cenoura que ele havia enfiado no cu.[7] O que era para ser uma calúnia discreta, feita para sacanear o desafeto de um dos donos do jornal, que estava puto com o ator,[8] se espalhou como fogo entre os adolescentes.

Quem tinha nome parecido com este ator, ou mesmo com o personagem representado por este ator (nome composto pela abreviatura de um grupo de répteis pre-históricos, com o nome de família de um famoso ditador romano) passou a ser chamado de viado. Quem usasse qualquer roupa na cor laranja (ou seja, cor de cenoura) passou a ser chamado de viado. Quem tinha cueca laranja jogou no lixo, porque usar cueca laranja passou a ser mais viado do que usar cueca rosa. Possivelmente, até mesmo o consumo de cenouras no Brasil sofreu uma queda expressiva.[9]

A carreira do galã foi arruinada. E tome processo na justiça, por calúnia, injúria e difamação. Apesar de ser uma merda, neste caso a justiça funcionou,[10] o ator conseguiu toda a indenização que podia, [11] o jornal faliu, mas quem escreveu a notícia não foi identificado.[12]

Se era verdade? Provavelmente não era, mas ninguém sabe, nem tem como saber. Agora imagina se uma porra dessas acontece agora, em que por causa da Deep Web e dos chans quase tudo é anônimo. O galã iria se fuder, mas não teria ninguém para processar - só se quem divulgasse a notícia fosse burro e fizesse que nem no caso daquela atriz que apareceu mostrando os peitos em 2012 mas eu esqueci o nome. Ou talvez não se fudesse, hoje em dia enfiar uma cenoura no cu poderia até fazer o ator ficar mais famoso.

Referências

  1. Cargo biônico, na Wikipédia em português: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cargo_bi%C3%B4nico
  2. Agosto de 2013
  3. Depois que inventaram a moda de que mulher gostosa é puta americana siliconada, as depósitos que tem peito normal passaram a ter vergonha de deixar os garotos verem seus mamilos e quase todas passaram a usar sutiã sempre, o que é uma desgraça, porque esta geração vai toda morrer de câncer.
  4. Gay ainda não era o termo usado na época, eles eram chamados de bichas (quando só desmunhecavam) e viados (quando davam a bunda).
  5. Por outro lado, naquela época padre não tinha fama de pedófilo, tinha fama de comedor de mulher.
  6. Outras fontes dizem Hospital Souza Aguiar
  7. A Wikipédia em português, provavelmente com medo de processo, faz alusão a esta história, mas sem dizer exatamente o que aconteceu. Como a gente também não quer tomar processo, vamos deixar esta porra nas entrelinhas.
  8. Segundo uma versão, porque o ator tinha metido um processo contra ele. Segundo outra versão, porque o ator tinha comido a esposa ou pitanga do cara.
  9. Curiosamente, o gráfico quinquenal sobre o consumo de cenouras, que mostra um grande crescimento entre 1980 e 2000, omite os anos anteriores a 1980. Será que em 1975 o consumo era igual ao de 2000? http://www.cnph.embrapa.br/paginas/serie_documentos/publicacoes2008/ct_59.pdf
  10. Para quem não sabe, e não quer procurar na Wikipédia em português: calúnia é divulgar uma informação mentirosa e ofensiva, injúria é divulgar qualquer ofensa que deixe a pessoa deprimida e difamação é divulgar qualquer ofensa que afete a honra da pessoa. Ou seja, não tinha como a justiça não dar ganho de causa ao ator.
  11. Da ordem de milhões de dólares.
  12. Todo mundo sabe quem foi, mas não dava para provar.

Ver também