Abrir menu principal

Wikinet β

Rafael Lange

(Redirecionado de Cellbit)
Rafael Lange
Cellbits.png
Nome completoRafael Lange
ApelidosCellbit, Cellbits, Cellbitos, Cellbo, Zerbit, Zerbi, Pepega
Nascimento11/02/1997 (22 anos)
Carazinho - RS
OcupaçãoVlogger
Gamer
Logo do YouTube transparente.png CanalCellBits
Logo do YouTube transparente.png Nº de inscritos6,4 milhões
Outros linksTwitter

Rafael Lange[1][2][3] mais conhecido como nicks de Cellbit, Cellbits, Cellbitos (Carazinho, 11 de fevereiro de 1997)[1][2][3] é um vloggeiro (ou youtuber) e gamer brasileiro.

No seu auge em 2016, Cellbit possuía mais de 4 milhões de inscritos no seu canal no YouTube e foi um dos maiores youtubers da última geração 2010.[1][2]

Índice

Biografia

Rafael Lange nasceu no interior do Rio Grande do Sul em 11 de fevereiro de 1997.[3][4] Ficou conhecido em 2012, quando criou a conta de Cellbitos (em vez de Cellbits) para jogar games, embora já fizesse gameplays na década passada. Tornou-se um dos grandes nomes brasileiros do YouTube e da internet, conquistando 3 milhões de inscritos no canal Cellbits, mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, mais de 1 milhão de seguidores no Twitter e mais de 800 mil inscritos no canal Assistindo. Por conta do sucesso no YouTube, ele se encontra constantemente nos trending topics do Twitter no Brasil, participa de programas de TV e dá entrevistas para sites e canais famosos.[2]

Em 2014, por conta de sua grande influência, foi expulso da BGS (Brasil Game Show). A expulsão do Rafael Lange do evento de games revoltou muitos de seus fãs e repercutiu negativamente o evento.[4]

Enquanto o Brasil caía na crise político-econômica de 2015, muitos dos vlogeiros e sites que se destacaram e surgiram na era petista (2003-16) começaram cair em audiência e popularidade, e ele não foi exceção. No dia 24 de setembro do mesmo ano, esteve na BRMA (Brasil Mega Arena), maior maior evento de e-sports da América Latina.[2]

Por causa de sua fama, antes do fim do ano até 2016, foi contratado para fazer propaganda da Vivo e da sua TV por assinatura, GVT.

Em 22 de janeiro de 2016, foi vítima de várias contas fakes criadas no Twitter e seus fãs criaram a hashtag #SomosTodosCellbit.

No mesmo ano, gerou polêmica ao afirmar que estudo não era prioridade e que iria deixar a faculdade para o segundo plano, sob alegação de que ganhava quantia mensal considerável de dinheiro por conta de seus vídeos no YouTube.[3][4]

Desde 2016, quando ocorreu o impeachment de Dilma Rousseff, começou a defender posicionamentos políticos polêmicos. Como até então ele vinha mantido distância de questões políticas, o seu posicionamento em favor das causas que lembram correntes liberais e esquerdistas (ou similares) foi alvo de críticas por ser controverso no aspecto na sua vida pública e privada. No início, declarou ser libertário e em seguida passou a se dizer anarcocapitalista.

Em outubro de 2018, após o primeiro turno das eleições presidenciais que resultou na disputa entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad para o segundo turno nas eleições, o posicionamento dele em apoio ao Haddad e contra Bolsonaro no Twitter gerou controvérsia com seus seguidores que apoiavam Bolsonaro e os que preferiam o entretenimento e não queriam política no canal. Ao anunciar seu voto em Fernando Haddad, foi taxado de esquerdista, petista, oportunista, entre outros, mas depois do resultado do segundo turno, em que seu candidato fi derrotado, decidiu apagar postagens políticas, mas como a Nossa Senhora dos Prints nunca erra, seus ex-seguidores printaram suas postagens para a eternidade e para seu desespero.

Entre março a abril de 2019, apareceu na propaganda da estatal do Banco do Brasil, onde se vê brancos, negros e a turma da lacração endinheirada que apoia a esquerda, até ser retirado do ar por ordem de Jair Bolsonaro, sob alegação que levaria jovens brasileiros a irem indiscriminadamente ao banco, enquanto o trabalhador comum é excluído do comercial (muito comum nos comerciais antigos). O mais contraditório é que, apesar de se dizer anarcocapitalista e ter votado em Haddad contra Bolsonaro, não recusou convite do banco estatal para participar deste comercial e ainda ter sido pago pelo dinheiro dos otários contribuintes brasileiros que ficam na fila de espera de bancos pra serem atendidos.

Vida pessoal

Rafael Lange tem uma única irmã por parte de pai, Isis Vasconcellos, que é mais conhecida por seus fãs como Heyisis ou Ivy.[5][2][3] Desde 2018, ela faz lives de Fortnite, Free Fire e outros jogos de terror.

Referências

Sites